iPlanet! … As viagens da nossa equipe!

No iPlanet!  você descobre como foram as viagens e aventuras da equipe IP, que é formada por ex-intercambistas que como você passaram por todas as dúvidas na hora de planejar a viagem.

André Benedette da IP Campinas.

A ideia surgiu desde a adolescência, sempre gostei muito de seriados, filmes e de viajar e a paixão por NY foi aumentando conforme fui crescendo. Quando fiz 25 anos, com a ajuda do meu pai concretizei meu o sonho e fiz meu tão esperado intercâmbio!

ImagemIplanet

‘Toda vez que algum amigo me pergunta qual a melhor e a mais importante experiência da minha vida, eu sempre falo que foi meu intercâmbio para Nova York’.

Eu costumo dizer que a cidade se adapta ao estilo que você quer, pois é considerada a capital do mundo, onde se encontra um mix de cultura, de pessoas do mundo todo, culinária para todos os gostos e além de tudo tem também os  incríveis espetáculos da Broadway.

A cidade muda de cara conforme vão passando as estações do ano. Cada estação tem seu charme e até hoje não sei definir de qual eu gosto mais. O Central Park  é um parque enorme bem no meio da ilha de New York , com vários quilômetros de extensão,  ele se sobressai em meio aos prédios e o clima urbano da cidade. Um ótimo lugar pra relaxar e admirar. 

Outro lugar que eu gostei muito foi do Battery Park, onde é possível ver um incrível pôr do sol.

Lembro também de shows que aconteciam gratuitamente pelas praças e ruas. Eu fui em vários como do Maroon 5, Beyoncé e também fiz parte do Brazilian Day –  festa onde os brasileiros dominam a Rua 46, também conhecida como Little Brazil, para celebrar o Dia da Independência do Brasil em Nova York.

Eu poderia passar dias falando sobre as belezas da cidade. Eu fiquei lá 6 meses e fiz grandes amigos  e espero voltar logo para matar a saudade de todos e curtir mais um pouco desse lugar mágico!

‘Andar pelas ruas dá  a impressão  de estar no cenário de algum filme. Lembro quando fui na Times Square pela primeira vez,  cada lugar que eu olhava era uma foto que eu tirava, tudo muito legal’ 

  • Irlanda - Caio Freitas da IP Brooklin

    Quando saí do Brasil buscava apenas a fluência no inglês como a maioria dos intercambistas. Estudei general english, cursos preparatórios para o IELTS e específicos de conversação e trabalhei na indústria de entretenimento meio período.

    fotonews_Caio

     ‘Fui com intenção de ficar por 1 ano e acabei ficando quase 3 anos e meio, as experiências se tornaram muito interessantes’.

    Dublin é capital de um país da União Europeia, o que facilita muito viajar por toda Europa. Vale destacar também que Dublin é uma cidade cosmopolita e convivemos diariamente com pessoas vindas de todo lado do mundo, especialmente do leste europeu.

    Todo intercâmbio agrega experiências e  nada acontece por acaso! Uma vez eu e meus novos amigos pegamos o DART (trem intermunicipal que passa pelo litoral de Dublin e arredores). Era um domingo e fomos buscar uma bateria para nossa banda. Chegando lá pegamos a tal bateria e ficamos encantados com a cidade, porém acabamos pegando o trem errado na hora de voltar, rs!

    Quando percebemos que estávamos cada vez mais distante de Dublin, descemos e esperamos o próximo trem que só passaria dentro de 1 hora. Decidimos então dar uma volta nos arredores e encontramos alguns irlandeses que também tocavam. Eles nos convidaram para fazer um som na casa deles e a coisa virou festa! Só voltamos pra Dublin no outro dia pela manhã.

     

  • Canadá - Angélica Maris da IP Brooklin

    Angélica passou duas semanas no Canadá para estudar inglês para negócios e aproveitou o tempo livre para conhecer mais a terra da aurora boureal. Quando ela desembarcou estava chovendo e logo uma surpresa: Em pleno sábado de manhã não havia trânsito. Isso sim é começar as férias com sorte! 

    Vancouver foi seu destino. Ela ficou em homestay (casa de família) que a recebeu muito bem. A casa já estava habitada com intercambistas do Japão, China, Arábia, República Checa, Tailândia e Alemanha.

    ‘Os donos da casa são da Alemanha e moram há 10 anos no Canadá. Eles já estão acostumados receber intercambistas e são bem comunicativos. Eles me perguntavam sobre a cultura brasileira e mais uma surpresa, cada noite a dona da casa preparava uma comida típica, quando chegou a vez do Brasil, não faltou feijoada ou melhor: feijão preto’.

    Angélica dividiu suas férias estudando pela manhã (o tradicional part time) e após as aulas explorava a região. O cenário não podia ser dos melhores, era o fim da primavera e começo do verão. Já imaginaram ver um lago congelado, geleiras derretendo e montanhas que acercam as belezas naturais do país? No Canadá você não imagina, vive a experiência.

    O país oferece opções para todos os gostos. Banff e Jaspen fazem parte do circuito Rocky Mountais, onde você encontra paisagens exuberantes, passeio de gòndula, centros de ski, lagos, geleiras e diversas atrações para todos os gostos!

    Angélica aproveitou o tempo para diversificar as atrações. Ela conheceu a tradicional cidade de Victoria e Whistler e em Vancouver foi assistir um jogo no estádio B.C. Visitou também o Tellus World of Science e os parques Capilano Bridge e o Stanley, que segundo os canadenses o Stanley Park  é maior que o Central Park (EUA), será?

     ‘O tempo passou muito rápido e com certeza quero retornar para o Canadá. As pessoas são atenciosas e me senti entre amigos’.

  • Austrália - Renata Carracedo da IP Brooklin

    Nada melhor do que bater um papo descontraído com quem já morou no destino dos seus sonhos. A Renata conta um pouco da sua experiência e relatos engraçados da viagem que começou com um plano de 4 meses e se tornou 2 anos morando em Sydney.

    Depo Renata - IP Brooklin Iplanet

     

    IP – Conte sobre o processo de escolha do intercâmbio. Em qual cidade você ficou e qual tipo de curso realizou? 

    Renata Carracedo – Quando realizei meu intercâmbio, primeiramente precisava escolher a agência certa, ou seja, aquela que me daria todo suporte tanto no Brasil com aplicação do visto, compra da passagem, escolha da escola de acordo com meu perfil, bem como suporte no país destino.

    Após a escolha da agência, elegi Sydney como meu destino, pois pelo que havia pesquisado e ouvido de conhecidos que já haviam ido para lá.

     ‘Sydney é uma cidade grande com centro bem urbano e tecnológico, cercada de praias paradisíacas, além de oferecer a oportunidade de conhecer o mercado de trabalho devido a permissão part time de trabalho’.

    IP – Quanto tempo você ficou na Austrália?

    Renata Carracedo – No começo eram apenas quatro meses de intercâmbio, porém algo me dizia que provavelmente estenderia este período, e de fato foi o que aconteceu. ‘Eu não tive dúvidas que iria ficar mais tempo desde o primeiro dia que pisei no país’.

    Estava tão feliz na Austrália que acabei contagiando meu irmão com a ideia de realizar intercâmbio, e então ele também foi. 

    Morei por dois anos na Austrália, e tenho a intenção de voltar diversas vezes ainda para visitar meus amigos e matar a saudade da terra dos cangurus, rs! 

    IP – Conte uma experiência engraçada que você passou.

    Renata Carracedo – A experiência mais engraçada, mas que na hora foi um pouco trágica, aconteceu quando fui na primeira balada, no centro de Sydney.

    Eu levei uma cópia autenticada do passaporte para entrar na balada para não haver risco de perder o passaporte. Quando cheguei na balada o segurança não me deixou entrar e com o pouco domínio que tinha do idioma, tentei de todas as maneiras explicar o que era um cartório no Brasil. Infelizmente não teve jeito e tive que voltar para casa.

    ‘Após ter retornado da Austrália soube que queria trabalhar em algo que pudesse utilizar e compartilhar a minha vivência no país e inspirar pessoas a ter experiências, afinal viajar faz bem para a alma’.

  • Austrália - Murilo Ferreira da IP Jardins

    Eu tinha muita vontade de ir morar fora do país para aprender o inglês, ter vivência internacional e, naturalmente, ter um crescimento pessoal com essa experiência.
    Escolhi ir para Brisbane, como tenho uma prima que mora lá, isso me traria certo conforto de poder contar com ajuda de um familiar, até porque estaria chegando sem inglês.

    Quando cheguei me deparei com algo muito maior, maior do que eu imaginava… Muitas coisas novas. Tive muita dificuldade com a língua no início, mas aos poucos tudo foi parecendo fácil. Fiz muitos amigos e carrego essa amizade até hoje, tanto de brasileiros como de outros estrangeiros e australianos, aos quais recebo em minha casa quando vem me visitar no Brasil.
    Na Austrália consegui aprender o inglês e aprendi também a conviver com pessoas de culturas diferentes. Nesse tempo pude trazer para minha vida aqui no Brasil um pouco da experiência de vida em um país de primeiro mundo.

  • Canadá - Henrique Duarte da IP Campinas

    Assim como outros estudantes, decidi fazer meu intercâmbio com a finalidade de ter uma experiência internacional num país de primeiro mundo, e consequentemente, atingir uma boa colocação no mercado de trabalho. Foram nessas expectativas que escolhi o Canadá, pois já tinha visto o país ser ranqueado diversas vezes como “Melhor lugar do mundo para se viver”, “melhor qualidade de vida” etc. Qualidade de vida que não exige um custo muito grande para se manter.

    O Canadá me chamou a atenção também por um aspecto bem marcante: a receptividade do povo. Por muitas vezes pude ver pessoas oferecendo ajuda sem nem mesmo conhecer a outra pessoa, ou saber se realmente precisava de ajuda. Uma atitude que não estamos acostumados a encontrar, principalmente em cidades grandes.
    Eu poderia escrever um livro com tantas qualidades que Toronto oferece, mas a melhor coisa é conhecer de verdade, embarcar nessa viagem… Com certeza mudaria o pensamento de qualquer um. Conhecer Toronto foi uma experiência única na minha vida, que com orgulho guardarei para sempre.

  • Estados Unidos - Verona Lacerda da IP Salvador

    Sempre quis fazer intercâmbio e ter a oportunidade de estudar fora e conhecer outras culturas. Quando terminei a faculdade, decidi que aquele era o momento certo para engrenar o meu projeto e partir para outras realidades. Acabei optando por ir à Los Angeles por ter amigos que já tinham visitado a cidade. Confesso que no início estava receosa sobre minha escolha e tão ansiosa, que minha ficha só caiu um dia depois de minha chegada, quando acordei na homestay e realizei que aquilo estava realmente acontecendo.

    Morei durante 6 meses em Santa Mônica, enquanto estudava em Los Angeles e tive a oportunidade de viajar pela costa Oeste dos Estados Unidos e Havaí. Nunca foi tão fácil viajar: era reunir uma galera, alugar um carro e pegar a highway, liberdade mode on. Durante o tempo que morei nos EUA, além de Los Angeles eu também transitei pelos seus famosos condados: Bervely Hills e todo o glamour da Rodeo Drive; a noite badalada de West Hollywood; Malibu e seu charme; Santa Mônica e seu turismo efervescente; Orange County e… um sotaque estranho, além dos cenários do seriado OC; Redondo Beach e o estilo relax, além da cidades de Santa Bárbara, Big Bear, San Francisco, Las Vegas (Vegas, baby!) e Honolulu (Havaí). Sem chances para o tédio!

    Foram os melhores 6 meses da minha vida, de muito aprendizado e imersão cultural. A Costa Oeste dos Estados Unidos é linda, o estilo de vida é praieiro, as pessoas são muito agradáveis e educadas. Viver o California dreaming não tem preço, é como viver um seriado sem enredo, nem ensaio. Tive a felicidade de ter realmente encontrado uma mãe em minha host family. Ela me acolheu tão bem, que continuamos mantendo contato enquanto ela faz questão de lembrar que ganhou uma filha brasileira. Também cultivei amizades e vivi experiências que só o intercâmbio poderia me proporcionar. Viver o American Dream como intercambista é aprender que a cultura do faça você mesmo traz uma sensação ótima no final; que você não sabe tanto sobre os Estados Unidos quanto achava que sabia; que existem melhores fast foods do que nós conhecemos no Brasil, mas você não vai viver só de Hambúrguer (a culinária do mundo inteiro está nos EUA) e que aprender a conviver com a saudade vai fazer parte da sua vida depois do intercâmbio.

  • Canadá - Luciana Novaes da IP Itaim

    O que falar sobre a minha experiência em Toronto? Simplesmente indescritível!
    Eu, Luciana, sempre fui muito curiosa pela diversidade cultural que podemos encontrar nos diferentes países e creio que esse é o tesouro mais precioso que se pode carregar em nossas lembranças. Em Toronto pude conhecer e aprender, com pessoas diferentes, a ampliar minha visão crítica sobre o mundo e as diferentes realidades e culturas.

    Decidi ir para Toronto, pois me identifico com cidades grandes onde tudo acontece ao mesmo tempo, de fato acertei na minha escolha! Lá fiz grandes amigos, que tenho contato até hoje, que me ajudaram muito desde o momento da minha chegada até hoje, mesmo com toda distancia, aqui no Brasil!
    As pessoas no Canadá são muito solicitas e educadas, a prova disso é que se abrir um mapa da cidade na rua mais longa do mundo, como em Young Street, em menos de 5 minutos alguém irá te ajudar.

    E qual era o meu principal medo antes do embarque?: “Será que o meu inglês é bom o suficiente para me comunicar e aumentar o meu ciclo de amigos?”, lá as pessoas realmente querem te ouvir, sem pressa e se mostram muito prestativas. Em várias situações em que parecia “sozinha” sempre pude contar com alguém para me ajudar! Outro fator que favoreceu e muito a minha escolha por Toronto foi a localização geográfica, pois lá há fácil acesso para conhecer outras cidades da região como: Montreal, Quebec, Ottawa, Chicago, Boston e NYC! Isso me ajudou muito no meu objetivo de conhecer culturas e lugares diferentes! Bom, essa foi a minha experiência e sem dúvida nenhuma recomendo para todos!

  • Austrália - Priscila Scalize da IP Brooklin

    Foi tudo como desejei… Sydney é uma cidade maravilhosa, segura, excelente transporte público, tudo o que você precisa sempre por perto, pessoas amigáveis e o clima é muito parecido com o nosso o que ajuda muito na adaptação.

    Fora a natureza que é incrível! Pássaros de todos os tipos e tamanhos pousando do seu lado, praias paradisíacas e o pôr do sol cor de rosa mais lindo que já vi.
    Ao chegar na Austrália me senti super segura pois o pessoal da IP de Manly me ajudou muito! No primeiro dia você já tira a foto para a sua carteirinha, abre conta, pega um chip para o celular e já começa a sua vida na Austrália.

    A ajuda da IP foi essencial. Consegui 2 empregos pelo Job Newsletter que eles cuidadosamente fazem toda semana, fiz um curso gratuito de waitressing, recebi orientações sobre transporte, alimentação, atendimento médico, ou seja , a IP era a minha família na Austrália e o relacionamento era tão bom que hoje faço parte do time.

  • Austrália - Gabriela Mendonça da IP Porto Alegre

    Eu sempre quis viajar, morar fora, sair sozinha por ai e ver os meus próprios limites, aprender mais. Como me formei em hotelaria, o inglês fluente era quase uma obrigação, e a Austrália foi a escolhida para a minha viagem.

    O plano inicial eram 5 meses de intercâmbio, que acabaram se tornando 3 anos de uma super experiência! A adaptação foi super-rápida, e conforme o inglês foi progredindo, a vida foi se ajustando e os empregos por lá foram melhorando. Trabalhei de cleaner, garçonete, atendente de padaria, e acabei professora em uma creche e gerente de uma loja de sanduíches.

    Fui com o dinheiro contado e meus pais não tinham condições de me ajudar financeiramente para realizar o meu sonho, o que eu acho que só engrandeceu aquele momento, pois foi a minha primeira conquista! É muito mais do que saber falar o inglês. É descobrir quem a gente é de verdade, é aprender a se virar sozinha, conhecer nossos próprios limites, é abrir a mente. Aprendi a conviver com a saudade, a ir atrás do mundo porque o mundo não vem atrás da gente.

    Neste tempo fora, tive a oportunidade de viajar bastante e pude conhecer a Nova Zelândia e a Indonésia, além da Austrália. Fiz amigos que vou levar pra uma vida inteira com certeza, conheci lugares paradisíacos e animais exóticos. Morei em diversas casas diferentes, com pessoas de todos os cantos desse planeta.

    Hoje, trabalhando na IP, posso estar um pouco mais aqui, perto da família, e um pouco mais lá, perto dos amigos. Mas principalmente, posso ajudar pessoas a realizar o sonho delas, assim como eu fiz com o meu!!!

  • Austrália - Viviane Neves da IP Brooklin

    Fazer intercâmbio sempre esteve entre os meus planos e embora fosse uma das coisas mais importantes para mim, nunca priorizava o meu sonho e não encontrava o momento certo. Uma hora me achava muito nova, outra achava que era melhor terminar a faculdade ou estava namorando.

    Até que um dia olhei e vi que todas as desculpas para sair do Brasil já não eram coerentes com o projeto de vida que tinha e descobri que o momento chegou e a hora era ” agora”.

    Decisão tomado e cabeça feita, arrumei as malas e embarquei no meu sonho. Lembro exatamente o que senti quando coloquei meus pés em Malny: – Que lugar lindo, minha escolha não podereia ter sido mais perfeita! Como acontece com a maioria fiquei mais tempo do que pensei. Fui para estudar 6 meses de inglês e acabei ficando 2 anos vivendo a vida que pedi a Deus. Afinal de contas morava , estudava e trabalhava de frente para a praia e minha casa ficava a duas quadras da praia também.

    Durante esses 2 anos fiz grandes amigas e mesmo tendo uma vida corrida por estar sempre estudando e trabalhando sobrava tempo para sair com as amigas e viajar pela Austrália.

    Tudo perfeito e aí o destino me “pregou uma peça”. Lá conheci o amor da minha vida e percebi que meu tempo fora do país já tinha sido o suficiente e decidi que era hora de partir para outra fase da vida.

    Voltei para o Brasil e como sou muito sortuda ainda tive a oportunidade de trabalhar na Information Planet que é a mesma agência que me levou para a Austrália.

    A IP me recebeu de braços abertos para trabalhar com a coisa mais gostosa de fazer que é viajar e estou muito feliz em poder te ajudar também.

  • Nova Zelândia - Diogo Scherer da IP Brooklin

    Sem falar nada em inglês, deixei o Brasil com destino à Nova Zelândia. Chegando a Auckland, a cidade mais populosa do país, logo notei a limpeza, organização e segurança, onde nem mesmo os policiais andam armados.

    Longe de tudo e de todos aqui do Brasil, o início foi um pouco difícil, mas devo ressaltar que ter ficado em casa de família ajudou muito na minha adaptação. Na escola fiz muitos amigos de diversos lugares do mundo e aluguei um apartamento com 3 amigos.

    No período em que ainda estava estudando, após as aulas ou nos finais de semana costumava frequentar museus, praias e jogos de Rugby para ver ALL BLACKS. Adorava ir a Sky Tower também! Enfim, sempre estava onde havia muita gente e onde as coisas aconteciam, para praticar o inglês.
    Veio à primeira viagem! Com dois amigos, aluguei um carro e fomos para Taupo, onde está o maior lago do país e próximo a uma estação de Sky e então tive meu primeiro contato com a neve.

    Quando o meu curso terminou, decidi ousar e fui com um amigo para a ilha sul. Viajamos de Auckland a Blenheim e nos hospedamos num hostel cheio de gringos e descolamos um trabalho para fazer a poda das parreiras de uva. Foi um mês de trabalho duro, mas me ajudou a desenvolver e praticar o inglês com os outros estrangeiros que eu convivia.

    Já adaptado e com o inglês melhorando a cada dia, comecei a viajar pelo país. E foi demais! Beleza natural única, novas amizades e saber mais sobre a cultura de um povo feliz e educado, sempre pronto para ajudar.

  • Austrália - Bruna Ehnke da IP Jardins

    O meu interesse pelo intercâmbio, aprender inglês, conhecer novas culturas e lugares incríveis me levaram para a experiência. Assim como na maioria dos casos, meu tempo na Austrália foi maior do que o planejado. Em menos de um mês por lá, conheci uma brasileira e, conversa vai, conversa vem, ela me diz: “Ah, também vim pra cá assim como você, para estudar inglês por cinco meses… e agora já faz nove anos que estou aqui”. Senti um frio na barriga!

    Nessa altura eu já estava apaixonada pelo país e já imagina que poderia acontecer o mesmo comigo. E aconteceu, morei na Austrália por cinco anos.

    O que era para ser uma viagem de cinco meses tornou-se grande parte da minha vida por cinco anos. Cinco anos inesquecíveis.
    que eu fui!
    Optei para iniciar o meu intercâmbio em Nossa Heads, uma cidade de Queensland. A vida que eu levava era maravilhosa, mas após um ano por lá, decidi um novo desafio e foi para Melbourne
    Eu me encantei por Melbourne e foram seis meses intensos. A cidade é linda, respira cultura e esporte, é simplesmente espetacular!

    O intercâmbio me trouxe várias experiências inesquecíveis e a oportunidade de conhecer boa parte da Austrália, de norte a Sul, me trazem uma enorme satisfação e sou mais feliz por isso hoje. Sem contar ter conhecido os países vizinhos da Ásia e a Nova Zelândia que, diga de passagem, são simplesmente maravilhosos!

    A cada viagem, a cada novo lugar que conhecia, eu me apaixonava e sempre queria ficar um pouquinho em cada lugar.

    Ir para a Irlanda me rendeu boas viagens pela Europa, mas acredito que depois de ter morado na Austrália, aquilo não me parecia tão extraordinário e o que era para ser um ano, tornou-se apenas 6 meses. Hoje olho para trás e tenho a certeza de que a melhor decisão da minha vida foi aquele dia 08 de agosto de 2005 que subi no avião para a Austrália. Fotos, histórias, viagens, amizades e memórias que ficarão guardados para toda a vida.

  • Canadá - Elisio Gomes

    Minha história com o Canadá começou bem repentina, com uma viagem de férias de 2 semanas durante a Páscoa para visitar alguns amigos que haviam imigrado com suas famílias para Montréal.

    E mesmo tendo morado por 2 anos na Austrália e ser um destino que nunca saiu da minha cabeça por ter sido uma das melhores épocas da minha vida; essas duas semanas foi o necessário para resolver que este era o lugar que eu gostaria de morar por um tempo; e em Agosto eu já estava instalado em meu apartamento na Rue Crescent (lugar muito gostoso com vários bares, restaurantes e baladas) e estudando Francês.

    Apesar do inverno ser bem intenso é fácil adaptar, pois em qualquer lugar que você vai tem aquecimento central. E ainda tem a chamada “cidade subterrânea”, que na verdade são ligações por baixo da rua entre shopping centers e centros empresariais.

    Após estudar Francês iniciei o curso de Relações Públicas na universidade McGill (vale muito a pena conhecer o campus que fica bem no centro da cidade, ao pé do Mont-Royal. Bem estilo dos filmes de universidade mesmo). Em ambos os cursos tive a oportunidade conhecer muitas pessoas, tanto canadenses como estrangeiros, amigos que mantenho contato até hoje.

    Enfim, é uma experiência que, seja para ficar 4 semanas ou 3 anos (como eu!), vale muito a pena ter pois você irá guardar-lá para sempre. Meu sobrinho de 13 anos foi me visitar por uma semana e já está se preparando para um curso de férias por lá e programando para cursar faculdade na McGill também, de tanto que se apaixonou pela cultura do país.

  • Austrália - Angélica Maris da IP Brooklin

    É tão bom ter boas estórias de vida para contar, e contar sobre meu intercâmbio me deixa muito feliz!

    Você sair de casa e morar em um lugar estranho, onde você não conhece ninguém, praticamente não entende nada do que estão falando pode parecer no princípio assustador.

    Como já havia saído da casa dos meus pais desde os 16 anos, a ideia de ir para outro país não me assustou tanto. Resolvi que a hora certa de fazer intercâmbio era depois de formada, terminei a faculdade e depois de um ano comecei a pesquisar o destino.

    Vi muita coisa, mas o destino que me chamou mais atenção foi realmente Austrália. Fui para ficar 5 meses, mas já tinha a intenção de prolongar a estada, acabei ficando por um ano.

    Os primeiros dias não foram assim tão fáceis, apesar de anos e anos de inglês em escolas no Brasil, me sentia totalmente perdida, às vezes não entendia uma vírgula que falavam.

    Em poucas semanas já estava entendendo muita coisa e com o passar do tempo com os estudos e trabalho meu inglês melhorou muito.

    Foi sem dúvida nenhuma o melhor ano da minha vida. Além de aprimorar o inglês, fiz amigos , com os quais nem sonharia um dia e o mais legal é que mesmo após alguns anos a gente continua se falando.

    Além de conhecer praticamente toda Austrália, também visitei países fantásticos e aprendi muito com a cultura deles. Tailândia, Camboja e Nova Zelândia são países que valem a pena uma visita.

    Foi um ano mágico, entrar em contato com novas culturas, aprender a respeitar mais cada pessoa, aprender uma nova língua, fez este ano especial para mim.

  • Estados Unidos - Guilherme Castelari da IP ABC

    A ideia de fazer um intercâmbio para os EUA surgiu graças a uma série de TV americana chamada “THE O.C.” que relata a história de um grupo de adolescentes que moram em Newport Beach, na Califórnia.
    Com 17 anos decidi que queria viver tudo aquilo que assistia, e juntamente com meus pais fui pesquisar sobre os cursos disponíveis, a princípio queria residir e estudar na Califórnia, porém o tipo de programa que escolhi não era possível determinar o local de residência, já que o que definiria isso era a família que gostaria de me hospedar.

    Fui escolhido por uma família americana formada por um casal e dois filhos, que moravam em Albuquerque, no Novo México. NÃO, NÃO É NO MÉXICO! É um estado que fica entra o Arizona e o Texas.
    No começo fiquei meio chateado com a notícia, porque queria muito a Califórnia, mas conversando com a minha host Family por e-mail e Skype fui me aproximando bastante deles e não via a hora de fazer parte da família, viver uma cultura diferente e compartilhar a minha, afinal é disso que é feito um intercâmbio, de trocar de culturas e experiências.

    Foram 6 meses incríveis, onde aperfeiçoei o inglês, amadureci, fiz vários amigos, conheci diversos lugares e fiz coisas que não podem ser feitas no Brasil, como por exemplo esquiar nas montanhas do Colorado, etc.
    Querendo viver uma nova experiência, aos 21 anos fiz o meu segundo intercâmbio e fiquei um tempo morando na Flórida.

    A vivência de um intercâmbio é única, por isso eu indico para todos, independente da idade, nunca é tarde demais para fazer uma viagem que mudará a sua vida.
    Os EUA faz parte da minha história, é um país onde eu tive grandes alegrias e vivi uma das melhores épocas da minha vida.

  • Nova Zelândia - Muriel Demarchi da IP ABC

    Quando deixamos o nosso país para passar um tempo no exterior, além das questões práticas e prévias como passagens, hospedagem, escola e cursos escolhidos não sabemos o que nos espera na chegada e é aí que toda surpresa e mágica acontece quando chegamos na Nova Zelândia.

    Depois de já ter passado pela Australia decidi viver um tempo por lá e fiquei 3 meses, o que só confirmou minha paixão pela Oceania. Um país de belezas naturais fascinantes, cenário de alguns filmes como “O Senhor dos Anéis”, “O Hobbit” e “Crônicas de Nárnia”, minha chegada por lá só fez confirmar o que havia descoberto em pesquisas e imagens, o país tem uma beleza peculiar. É muito fácil viajar pelas duas ilhas, alugando as famosas campervans nas quais você pode dormir, cozinhar e cruzar o país curtindo as belezas naturais também no “durante” o percurso.

    Terra do rugby, os kiwis (apelido carinhoso do povo local) tem paixão pelo esporte, não tente tirar um deles de frente da telinha durante um jogo dos “All Blacks”, é comparável ao amor que o brasileiro tem pelo futebol, aliás a prática de diversos esportes e principalmente os radicais é uma das atividades mais comuns no país.
    Donos de uma cultura ancestral riquíssima representada pelos maoris, é possível em uma apresentação ou conversa com algum deles se enturmar rapidinho com a história do país que é super novo. Os kiwis são super simpáticos, simples, receptivos, “relax” e despreocupados, gostam de conviver com diversas culturas e curtir a vida, sua visão de mundo, de respeito e solidariedade me surpreendeu muitas vezes e até me emocionou. A Nova Zelândia é considerada um dos países mais seguros do mundo pra viajar e viver, além dos recursos e infra-estrutura das cidades que são 10, isso a gente logo percebe nos primeiros dias e consegue aproveitar melhor tudo o que o país tem pra oferecer, é fantástico!!

    As paisagens e a alma de lá me encantaram definitivamente e pra sempre. Por Muriel da IP Abc. Kia ora!! Haere mai Aotearoa!! (em maori: Olá! Bem vindo à Nova Zelândia!!)

  • Austrália - Adriana Tieppo da IP Tatuapé

    Eu tenho uma história especial com a Austrália, algo que vai além da paixão pelo país. Eu morei lá por 5 anos e neste longo período eu estudei, trabalhei e viajei muito… E tive a oportunidade de entender o quanto esta experiência realmente transforma as pessoas. Fiz amigos, aprendi inglês, paguei as contas e cursos do meu caminho, visitei lugares que sonhava e aprendi a sonhar com lugares que nem sabia que existia.

    Meu lugar na Austrália foi Sydney – Manly Beach e a rotina da vida por lá faz você, com o passar do tempo, achar comum o que é simplesmente PARADISÍACO.

    Após o fim do meu intercâmbio, voltei mais uma vez ao país e isso me trouxe aquele brilho nos olhos que todo estudante tem quando desce do outro lado do mundo em busca do novo e claro, da experiência internacional. Esta segunda visita, onde pude rever meus “aussie friends” e muitos amigos brasileiros que ficaram por lá de vez, foi como olhar o mesmo cenário com outros olhos…

    Carrego a Austrália para sempre nas minhas melhores memórias… E como sou “da casa” deixo o convite para vocês visitarem este meu pedacinho do paraíso também.

    Para saber mais sobre o que a Adri Tieppo tem para falar, assista suas palestras no nosso youtube ou faça uma visita na IP Tatuapé!

  • Canadá - Guilherme Picolo da IP Itaim

    Quando completei 21 anos decidi fazer algo diferente na minha vida. Decidi que era hora de respirar novos ares e pensei em sair do Brasil por um tempo e fazer um intercâmbio. Sempre fui apaixonado por frio, montanha, fauna e natureza de um modo geral. E Canadá iria me oferecer tudo o que estava procurando.

    Antes de embarcar, me disseram que o Canadense era um povo educado porém muito frio e não muito acolhedor. Quando cheguei em Vancouver, já no aeroporto pude ver que eles não tinham nada de frios e foram muito acolhedores e essa foi a melhor imagem que levo do Canadá até hoje. Fiquei simplesmente maravilhado com a cidades que são super modernas, com a natureza do País e principalmente com as pessoas. Com certeza foi uma de minhas melhores experiências de toda minha vida.

    Os anos se passaram e quando voltei ao Brasil comecei a trabalhar na IP como gerente de produtos e após alguns anos, decidi abrir minha própria franquia da IP no Itaim em São Paulo. Dessa maneira, estou conciliando trabalho com uma atividade que sou apaixonado, mandar estudantes brasileiros para o Canadá e os outros destinos da IP. É muito gratificante para mim, saber que agora estou realizando sonhos de pessoas assim como eu realizei o meu, sendo esse sonho ir para o Canadá ou outro destino já que o aprendizado e experiência que trazemos do intercâmbio independe do destino de escolha.

  • Estados Unidos - Vanessa Lliso da IP Travel

    Sempre adorei viajar e, depois da minha 1° aventura sozinha com meus 16 anos, decidi que era esse sonho que eu queria viver!
    Antes de me formar na faculdade de Turismo resolvi tirar um “break” e passar um tempo na terra do tio patinhas estudando inglês e me aventurando por esse lugar incrível que é os Estados Unidos.
    Embarquei no último dia do ano com destino a New York City. Passei meu ano novo no avião e com ele, veio uma nova etapa na minha vida.

    Estudei em uma escola de inglês que ficava dentro do campus de uma universidade americana, por isso “sonho americano”, que eu sempre via em filmes, se transformou em realidade!
    É incrível como os americanos adoram os brasileiros – é verdade que não são de muito calor como nós, mas quando você se torna realmente amigo de um pode ter certeza que será pra sempre.
    A cultura americana está em todas as partes aqui no Brasil então não foi difícil me acostumar por lá. Durante minha permanência tive o prazer de conhecer uma parte da costa leste americana viajando de carro por New York City, Philadelphia, Washington D.C e Boston com alguns amigos que conheci durante meu curso de inglês – essa aventura foi ótima para colocar em prática tudo que eu aprendia na escola.
    Era inverno, pude fazer boneco de neve, esquiar, ver a neve caindo, lagos congelados e até ir para a praia – tudo muito diferente da realidade brasileira e uma verdadeira experiencia de vida. O frio na barriga que eu tinha antes da viagem se transformou em pura felicidade e satisfação depois que estava por lá.
    A saudade ainda bate forte até hoje e como consequência já voltei outras 2 vezes, onde pude conhecer a famosa Costa da Califórnia, a cidade dos jogos – Las Vegas e claro a fantástica Disney World em Orlando onde a diversão é para qualquer idade e a todo momento!

    Viajar é o melhor prazer da vida, você conhece pessoas, lugares, culturas, aprende novas línguas, se diverte, compra, tira muitas fotos e coleciona na memória experiências e histórias que nunca vai esquecer!

    Sobre a Vanessa: Aos 29 anos, ela já viajou por vários países na América do Norte, Central e do Sul e conhece a Europa de ponta-a-ponta… Aliás, por ser filha de espanhol, além dos Estados Unidos, também morou na Espanha.
    Você pode ter a certeza que a sua viagem de volta ao mundo esta em boas mãos.

  • Nova Zelândia - Guilherme Lima da IP Brooklin

    A minha passagem pela Nova Zelândia foi curta, porém excepcional!
    Foi uma oportunidade e tanto para conhecer o país mais novo do mundo e a incrível Auckland, cidade pelo qual fiquei impressionado com seus contrastes.

    Auckland é um lugar imperdível com vários aspectos positivos. Um deles é seu clima, que é considerado um clima ameno, numerosas instalações de lazer, bares, restaurantes e vulcões rs… Isso mesmo, Vulcões! Auckland tem mais de 50 vulcões espalhados pela cidade, o que a torna uma cidade ainda mais bonita e interessante.

    Uma sugestão para todos é conhecer a Sky Tower, lá você terá uma visão global da cidade, e o melhor é pode descer da torre pelo lado de fora, saltando de um arrepiante Bungy Jump. Em baixo funciona o Sky Casino, que também vale a pena conhecer.

    Fiz um passei de barco muito irado também. O barco saia do Victoria Building e ia até Devenport que fica no lado oposto de Auckland.

    No período em que estava viajando pela Nova Zelândia, fiquei em um Backpacker, onde conheci gente do mundo inteiro e também alguns Maoris ( como são chamados os nativos ) e essa hospedagem me trouxe para mais próximo da cultura do país e passei a entender mais até sobre os esportes locais, cujo o destaque é o rugby e cricket.
    Hoje tenho certeza que essa viagem foi um dos meus melhores investimentos que fiz e a primeira de muitas que virão.

    Boa à sorte a todos!

  • Austrália - Danilo Moreno da IP Santana

    Aos 20 anos comecei a pegar onda e, como um sonho de todo mundo que surfa, coloquei na cabeça que queria ir para a Austrália. Para conseguir aquela ajudinha do meu pai, argumentei falando que aprender inglês no exterior seria bom para mim e para minha vida profissional.

    A minha experiência no surfe não tinha passado de vários caldos e, por isso, meu objetivo acabou sendo somente estudar e vivencia esta experiência para trazer na bagagem apenas coisas boas.
    Após um ano e meio de planejamento, foi em Brisbane que desembarquei, aos 22 anos de idade com poucos dólares no bolso e muita ansiedade na cabeça, um pouquinho de medo e “verb to be”!

    Como é para todo mundo, o início não foi muito fácil, me emociono e dou risada até hoje ao me lembrar do dia que estava atravessando a principal ponte da cidade, pensando com faria para pagar meu primeiro aluguel. Nesse momento achei que tinha feito uma péssima escolha trocando minha vida confortável no Brasil por um sonho na Austrália… Mas como as coisas acontecem rápido na terra dos cangurus, eu consegui arrumar a questão da grana e tudo começou a fluir.

    Com uma boa lembrança de tudo que passei, hoje dou risadas de todas as histórias, e enrascada que vivi e sei que o meu intercâmbio na Austrália foi o divisor de água da minha vida…
    Atualmente faço parte da equipe IP no Bairro Santana e é um prazer poder compartilhar o que aprendi e vivi com os meus estudantes… Venha nos visitar na nova Unidade IP Santana para um bate-papo e eu te conto cada enrascada que me meti….rs!

  • Canadá - Fernando Gomes da IP Santana

    Após quatro anos no Brasil, tive a oportunidade de ir para o Canadá e é claro que trabalhando com intercâmbio, eu tinha muita vontade de conhecer o país.
    O Canadá é muito receptivo e as pessoas são solicitas e extremamente educadas e já me encantei assim que desembarquei do avião. Primeiro fiquei em Vancouver, uma cidade encantadora, muito bonita e que pude entender porque está sempre entre as cidades com maior qualidade de vida do mundo, já que tudo funciona muito bem.

    Ainda próximo a Vancouver fui para Whistler e Capilano que estão entre os lugares mais bonitos que já conheci na minha vida.

    Depois escolhi Toronto, uma cidade com muitas atividades indoor, que tem uma vista incrível da CN Tower onde é possível ver, toda a agitada vida noturna da cidade.
    A minha experiência no Canadá me ajudou a destravar o inglês que já andava meio enferrujado… Eu vou voltar um dia!!!

    Após alguns anos na IP, atualmente trabalho na nova agência da Information Palnet na Zona Norte de São Paulo e o meu convite é para você passar aqui e conhecer nossa nova loja e bater um bom papo sobre intercâmbio e viagens!

  • Nova Zelândia - Claudio Garzini da IP ABC

    Após 8 meses na Austrália, já no caminho de volta ao Brasil, eu achei que a minha aventura tinha acabado, até que decidi passar 1 mês na Nova Zelândia. Aí percebi que o melhor ainda estava por vir: o país é incrível, são tantas atrações em um território tão pequeno que é possível conhecer tudo em pouco tempo, mas a impressão que dá é que você está dando a volta ao mundo!

    Na ilha norte, é possível encontrar belas praias, lagos, vulcões, géisers, além do agito da maior cidade da Nova Zelândia: Auckland! A ilha sul é o lugar para quem quer praticar esportes radicais, além de ser palco de belas paisagens, como as geleiras, fiordes, a cordilheira que corta a ilha e mais praias na costa oeste. A principal cidade da ilha sul, Christchurch, tem um charme todo especial, e é uma das mais bonitas e organizadas do país.

    Mas o que mais me chamou a atenção na Nova Zelândia foi a receptividade do povo local, o que pode ser percebido logo que você chega ao país: os agentes de imigração são super simpáticos, e fazem de tudo para que você se sinta bem-vindo! Toda a pequena população do país (pouco mais de 4 milhões de habitantes) tem essa característica, o quefaz o brasileiro mais patriota repensar sobre o modo como lidamos com os estrangeiros que visitam o nosso país.

    Tem muito mais Nova Zelândia para se contar, mas o melhor mesmo é ir sentir na pele tudo o que o país tem para te oferecer. Eu recomendo!

  • Canadá - Bruno Thaler - On Shore na IP Canadá

    Após ter morado em um ano e meio na Europa e um ano em seu vizinho (EUA) resolvi voltar para a América do Norte, só que dessa vez escolhi o Canadá.
    O Canadá é um país no qual tinha certeza que eu não teria arrependimentos pelas escolhas e não deu outra!

    No primeiro dia, logo ao sair do aeroporto de Calgary, Alberta em menos de 30 minutos na estrada já consegui avistar as tão famosas cordilheiras de montanhas as “Rockies” que, em minha opinião, é uma paisagem inacreditável e digna de cartão postal ou papel de parede de seu computador .
    Estava morando e trabalhando em Banff uma cidade turística pequena com 7.000 habitantes bem no meio das montanhas cercadas de natureza e vida selvagem (ursos, pumas, alces e castores).

    Tive experiências únicas como esquiar nos melhores resorts de ski do país, fazer trilhas maravilhosas e até jogar hockey com os locais. Logo na primeira semana fui a um seminário na prefeitura da cidade onde eles te dão um “banho” de informações sobre a cidade e no final você ganha um cartão o qual mostra que você a partir daquele momento é local além de garantir diversos descontos e vantagens, algo muito acolhedor e fazendo você se sentir parte da cidade e do país.

    Fiquei quase um ano no Canadá e as minhas expectativas sobre o país ultrapassaram o esperado ganhando o primeiro lugar em todos os quesitos dos países os quais eu já morei. Altamente recomendado sendo para turismo, estudo ou trabalho!

  • Nova Zelândia - Fernanda Freitas da IP Travel

    Morava na Austrália há 3 anos quando surgiu a oportunidade de conhecer a Nova Zelândia.
    Eu e uma amiga decidimos ir conferir, afinal, não podíamos deixar de ir visitar este belo país antes de voltar ao Brasil.

    Visitamos a ilha de norte à sul em 14 dias, conhecendo as principais cidades, apreciando belas paisagens e passando por algumas cidades pequenas que lembravam cidades dos filmes de faroestes.
    Fomos para Auckland, Waitomo, Rotorua, Taupo e a capital Wellington, na ilha norte, além de Nelson, Franz Josef, Queenstown, Milford Sound, Dunedin e Christchurch, na ilha sul.
    Para mim, dentre estas, Queenstown foi a cidade que mais gostei. É uma cidade linda, oferecendo paisagens incríveis e muitas atividades de aventura.

    Viajar para Nova Zelândia oferece diferentes possibilidades: relaxamento, qualidade de vida, aventura.
    Grandes cidades mudam para regiões vulcânicas, envolvidas em fumaças e lama fervente, florestas mudam para paisagens em gramados, e praias bucólicas mudam para Fiords impressionantes à beira mar.
    A quantidade de atrativos, passeios e atividades para fazer é muito grande, e a vontade que dá é de participar de tudo.
    Tive a oportunidade de conhecer outros países na Europa e Ásia, e posso afirmar que a Nova Zelândia é um dos lugares mais incríveis que visitei e é o destino para fazer da sua viagem de estudos ou turismo, a maior experiência da sua vida.

  • Austrália - Junior Correia da IP Tatuapé

    Minha experiência na Austrália foi com certeza a mais marcante na minha vida.
    Como a maioria dos brasileiros que aprende o básico e nunca sai do verbo “To Be”, cheguei à Austrália sem falar nada de inglês.
    De quando cheguei até o primeiro emprego foi questão de tempo. Logo na segunda semana eu consegui arrumar um trabalho perto de onde morava e meu primeiro chefe na Austrália, o Franklin que é um italiano muito rabugento, mas muito “gente boa”.

    Sem desigualdade social e que você é visto realmente como você é e qualquer função é digna, seja qual for o seu emprego.
    O meu primeiro trabalho era na área de construção civil, trabalho que eu não tinha intimidade e ainda sem falar inglês, o Franklin para me ensinar o trabalho no primeiro dia fez um “X” na parede e falou “NO”, me entregou uma marreta e foi embora… Sai quebrando tudo quanto era parede que estava com o “X”.. No final do dia, eu estava com a sensação de dever cumprido… Até chegar o chefe que olhou para a minha cara e disparou a ralar rápido e nervoso. Eu não entendi nada do que ele falou, mas percebi que não era coisa boa!
    Depois de algumas semanas logo comecei a esboçar as primeiras palavras em inglês e conhecer um país que vinha me encantando cada vez mais nessa altura nem preciso falar que renovei o visto.

    A idéia inicial em ficar lá 4 meses, se transformou em dois anos muito marcantes e com muito estudo, consegui ver minha evolução na língua, assim como meu amadurecimento pessoal e financeiro. Além da experiência em viver na Austrália, consegui realizar diversas viagens pela Austrália, Ásia e Europa, e então, estive em vários e vários países que nunca havia imaginado estar antes.

    Desde que voltei estou trabalhando com intercâmbio e é realmente muito fácil e prazeroso, pois o meu trabalho é passar um pouco da minha experiência para quem pretende passar pelos mesmos caminhos que os meus… Ao fazer meu trabalho, eu tento ajudar para que a viagem de cada um seja marcante como foi a minha…Ou melhor, ajudar a realizar os sonhos de milhares de pessoas.

  • Austrália - Ton Araújo da IP Brooklin

    Minha experiência na Austrália aconteceu em Sydney. Fiquei lá por um mês em minhas férias e fiquei muito bem impressionado com tudo que vi por lá.
    Querendo explorar todos os lugares e atrás de bons cenários para as minhas fotografias, utilizei somente o transporte público e, diga-se de passagem, transporte público de verdade!

    Me recordo que quando peguei o ônibus entre Curl Curl e Manly pude acessar a internet, checar meus emails e até postar algumas fotos que tinha acabado de fazer… Acreditem, lá há Internet para os passageiros! E de novo… quando fui de Manly a Circular Quay com o Ferry (Balsa), não foi diferente. Internet à vontade, sem contar que nesse caminho é possível notar os golfinhos acompanhando a balsa hora ou outra.

    Como fotógrafo e turista, um dos primeiros lugares que visitei foi a Opera House. Ao avistá-la a primeira vez, descobri que o cartão-postal não é só grande e bonito, como imaginava. A Opera House é rica em texturas, formas e principalmente em história e em minha opinião todos devem gastar boa parte de seu dia lá, como fiz – Esse lugar é mágico.

    Minha aventura na Austrália rendeu fotos fantásticas de uma cidade que, como São Paulo, não para, mas transmite clima acolhedor e aberto a estrangeiros e, pelo o que puder sentir, aos brasileiros.
    Um mês foi o suficiente para eu me apaixonar por Sydney e seus arredores e se eu pudesse escolher um lugar para morar, a minha escolha é Bondi.
    Artisticamente falando, me sentiria muito a vontade em Bondi, afinal por lá é possível encontrar pessoas de toda parte do mundo, um emaranhado de arte, beleza, praia fantástica, esportes e vida saudável.

    Pensando em Austrália? Minha dica é visite, explore e descubra esse país onde vale tudo. Aproveite cada detalhe, porque serão eles que irão fazer a diferença na sua viagem.

  • Austrália - Fernando Gomes da IP Santana

    Eu sempre tive o sonho de ir para outro país, aprender inglês, conhecer novas culturas e adquirir crescimento pessoal e viajar muito pelo mundo todo. Queria estar em todos os lugares, por isso pesquisei muito até encontrar o lugar ideal para o meu intercâmbio e escolher a Austrália foi à minha melhor decisão.

    Afinal, a Austrália é um país incrível com paisagens exuberantes em todas as partes, muitas praias paradisíacas e o que acho mais interessante que é nesse ambiente há pessoas de todas as culturas e rola um encontro onde a atmosfera é sempre de muita amizade.
    Como qualquer um que planeja o intercâmbio, eu tinha as mais altas expectativas, mas mesmo assim o meu intercâmbio na Austrália superou tudo que eu imaginava.

    Sem novidades… É um país lindo, organizado, tudo funciona e com uma economia estável e isso é muito bom ao planejar o intercâmbio, pois sendo um país pouco atingido pela crise internacional acaba sendo mais fácil planejar os gastos da viagem.
    Tendo retornado já a algum tempo do intercâmbio e trabalhando com intercâmbio desde então, posso dizer que vejo quanto meu intercâmbio acrescentou na minha vida e continua fazendo, pois ajudar as pessoas – que como eu já fiz um dia – planejar e conhecer a terra dos cangurus.
    Aposte nos seus sonhos… O aprendizado em um intercâmbio na Austrália você leva pela vida toda!


Share and Enjoy

  • Facebook
  • Twitter
  • Pinterest
  • Google Plus
Scroll to Top
IP Brazil Head Office - Rua Antonio das Chagas, 161, São Paulo - SP - CEP 04714-000 | Partners only: contato@informationplanet.com.br | Design: TonAraujo
Clique e Fale agora com um consultor pelo Whatsapp
Para visualizar o número de Whatsapp mais perto de você,
envie seus dados:





Agency Group: URL: Latitude: Longitude: Residence Country: Residence City: Residence State: Residence PostCode: Residence Street:


Adicione o número de nosso Whatsapp em sua agenda: